E-mail: contato@silviamalamud.com / Tel: +55 11 9 9938-3142 /Av. Angélica, Higienópolis - SP

Dilema de Mãe: adolescente e tecnologia

05/04/2016

Tem algum perigo em adolescentes fazerem Vlogs no youtube? 


É fato que hoje tanto adolescentes como crianças desde a mais tenra idade encontram-se tão familiarizados com a era da tecnologia, que dificilmente o universo adulto conseguirá acompanhar esse novo canal interativo na mesma frequência com que eles fluem. Seria algo como se mães e pais tentassem entender as gírias do momento e, num ato mais ousado, entrassem em contato direto com a garotada tentando comunicação por meio dessa linguagem. E se assim fosse, esse seria o momento em que uma grande confusão se instalaria. Não que as conversas de adultos e adolescentes, neste sentido, fossem soar falsas, longe disso, apenas que muitos códigos de informações que acontecem dentro do universo virtual não são tão simples de serem traduzidos. Explicando melhor, seria como aquelas gírias que só cabem numa determinada língua e quando se tenta traduzi-las, fatalmente perdem a sua grandiosidade de expressão. Devemos reconhecer, porém, que a maioria dos jovens que transitam pelas redes sociais, tem necessidade, assim como os adultos de hoje já tiveram em suas épocas de juventude, de se sociabilizarem, trocarem informações e conhecerem outros temas independentemente do lugar de origem.

As apreensões dos pais da nossa atualidade, portanto, salvo diferenças que serão abordadas a seguir, são basicamente as mesmas que seus próprios pais tiveram na época, quando eles eram adolescentes e quiseram alçar voos maiores conhecendo um mundo distinto do que tiveram como modelo dentro de casa. Naquele tempo, porém, a porta de saída era a porta de casa mesmo. No máximo, um telefone fixo. Hoje, uma das alternativas mais comuns de saída para o mundo é o universo online. Nele, a porta de saída é imensa e pode ser acessada mesmo sem precisar sair concretamente do lugar em que se habita. O receio dos pais é, em termos práticos, o mesmo de antigamente: medo de que os filhos de algum modo se percam, que se encontrem com pessoas não confiáveis e que possam seguir caminhos não saudáveis e até perigosos. Neste sentido, muitos pais têm buscado orientações sobre o melhor modo de agir. 

Muitos se encontram num impasse entre o cuidado para não aprisionarem suas crias por demais, porém, sem correrem o risco de uma exposição que pode ser danosa.
É certo que os limites podem e devem ser dados pelos pais, já que eles têm mais experiência de vida e certamente sabem o que pode representar um perigo real seus próprios filhos. Estes por sua vez, por mais que entendam bem mais do que os pais sobre o universo online, ainda têm pouca experiência de vida, inclusive, sobre situações difíceis que podem vir a se envolver. A dica, portanto, independente do tempo em que estejamos vivendo, seja em meio ao avanço da internet, ou de qualquer outra coisa diferente do que foi aprendido, que o que deve imperar é e sempre será o bom senso dos cuidadores. Os pais da nossa atualidade devem confiar em suas percepções, bem como nos ruídos que aparecerem. Devem primar por terem segurança para agirem como verdadeiros guias protetores nesse tempo em que limites são difíceis de serem colocados, inclusive, correndo-se o risco de muitas vezes serem mal interpretados pelos jovens. Por exemplo, uma adolescente de 14 anos deve saber que quando se expõe em assuntos pessoais de sua vida contando seu nome, sobrenome, a casa onde vive, inclusive filmando-a, que corre risco de que desconhecidos de toda ordem a vejam podendo por conta disso pesquisarem amplamente a seu respeito. Devemos lembrar também que existem os hackers e muita gente mal intencionada por aí. Na internet, esse assunto fica mais difícil de detectar porque na maioria das vezes nem podemos ver ou saber quem nos conecta. 
Penso que, como analogia, seria como adolescentes que vão à praia com roupa de praia e aí ninguém sabe quem é quem e numa conversa bem manipulada, se não se está avisado anteriormente dos perigos, qualquer um pode servir de prato e sobremesa para todo aquele que estiver mal intencionado. Nesses casos, pais prestimosos que educam seus filhos avisando-os dos possíveis perigos, podem e devem fazer o mesmo em relação à exposição na internet A ideia é auxiliar os jovens a terem discernimento para que possam saber como transitar por esses meios correndo menos risco. Todo cuidado que se pode ter é prudente.

Penso que os pais devem colocar as suas percepções e cuidados com bom-senso evidenciando com tranquilidade e seriedade todas as possíveis consequências. Existem situações, por exemplo, em que o jovem adolescente pode se expor de modo indevido e lá na frente se arrepender, mas o registro permanecerá para sempre na internet.

Os pais devem dar o mapa de funcionamento que entendem ser bom para os seus filhos e sem culpa. Esse é o ponto. Saberem exercer a autoridade sem precisarem ficar vigiando, sem a necessidade de terem as senhas dos seus filhos para secretamente verem o que e como eles estariam se expondo. Um clima de confiabilidade e acertos entre todos sempre é a melhor dica.

 

Please reload

Artigos Recentes 
Please reload

Redes Sociais
  • Facebook
  • Instagram
Palavras-Chave