E-mail: contato@silviamalamud.com / Tel: +55 11 9 9938-3142 /Av. Angélica, Higienópolis - SP

Todos devem saber... Assédio moral em mulheres!

05/04/2016

Num sentido extremamente grosseiro para muitos, mas não para todos, o carnaval ainda pode ser visto como sinônimo de liquidação de carne feminina a preço fácil. A diferença para com os açougues seria que elas ficticiamente estariam sendo vendidas como peças inteiras e ainda vivas, algo semelhante àquelas galinhas que antigamente eram vendidas deste modo, para que o abate fosse feito em casa. Infelizmente, muitos homens, em condições predadoras, agem e pensam assim em relação ao universo feminino. 

No carnaval, porém, essas questões escandalosamente ficam mais evidentes, muito embora estejam acontecendo a todo momento. Alias o termo abate é constantemente utilizado por determinados grupos de homens quando se referem às fêmeas por eles caçadas, por si só demonstra um nível absurdo de desqualificação humana, mas o pior de tudo ainda é o baixo nível em que eles mesmo se colocam, sem ao menos se darem conta.

O abuso e mal trato em relação ao universo feminino, embora soe mal causando repugnância para a grande maioria, ainda é bastante insidioso e, por mais incrível que possa parecer, num mundo que tende ao politicamente correto, esse tipo de assédio ainda hoje costuma ser banalizado e pouco ou quase nada levado a sério.

Interessante que os mesmos homens que tratam as mulheres em meio a todo esse descaso parecem terem esquecido que as suas mães, por melhor ou pior que tenham sido, também são do sexo feminino e, em condições usuais, são as próprias que exerceram o papel dos primeiros cuidados para que os garotões aqui pudessem sobreviver.

O assunto infelizmente diz respeito ao descaso homem versus mulher, ao assédio e ao abuso emocional. A artimanha de desqualificar mulheres que vêm conquistando espaço e visibilidade no mundo atual funciona como artilharia pesada dentro da competitividade em que vivemos. Imagine essa arma de abuso emocional na mão de homens que se sentem ameaçados por suas possíveis incompetências e ainda com dificuldades para se acertarem em alguma área da vida.

As mulheres atualmente, além de terem aprendido a vestirem calças, jamais se esqueceram de quando ou de como usar saias ou vestidos decotados. Aprenderam a ser mães, donas de casa, esposas, amantes e, pasmem, executivas de sucesso. Uma situação incômoda e invejável para aqueles tipos de homens que anos a fio exerceram seus trabalhos rumo a uma aposentadoria programada. Estes, na verdade, são vítimas da educação que tiveram onde lhes foi ensinado que seriam os únicos provedores de todas as questões familiares.
Acontece que tudo mudou e a situação sócio econômica mundial está bastante distante daqueles tempos. Tanto homens como mulheres igualmente têm que se atualizar e mostrar que são bons onde quer que estejam. Todos estão constantemente sendo checados e postos à prova. Talvez por conta deste histórico, ao que parece, homens mais frequentemente têm medo de falhar do que as mulheres. Como aspecto reativo, muitos se fecham dentro de si mesmos, mas por outro lado também, um grande número parte para a manipulação e abusos de toda sorte para com suas adversarias, no caso, as mulheres. O objetivo, mesmo que inconsciente, passa a ser de subjuga-las para que no final, eles possam se sentir como se estivessem se resgatando no antigo lugar de poder. Em algum momento precisarão entender que o lugar de poder anterior foi totalmente redimensionado e que a configuração de agora é de uma outra ordem.
Mulheres por sua vez têm obrigação de conceberem e assumirem que já conquistaram os seus espaços de poder devendo fazer valer sua posição sem qualquer receio.

Hoje em dia, só pelo fato de ser mulher, a inveja e o medo de determinados homens os tornam totalmente hostis frente as mesmas. E na realidade pouco importa se estão confusos ou se não sabem como agir de acordo com as demandas e frente à mulher da atualidade que vem se libertando e se constituindo ao longo de anos. Como resultado, na luta para se sentirem, mesmo que ficticiosamente recuperando o modelo anterior de poder, exercem toda sorte de ciladas para despejarem a mulher num cárcere, que significa coloca-la em modelos antigos que não mais procedem. O perigo deste tipo de abuso reside nas vaciladas que as próprias mulheres dão quando deixam de observar os sinais, os detalhes e as entrelinhas por conta do desejo, afinal de contas, de também serem vistas, reconhecidas e amadas. Mesmo assim, devem ficar atentas porque as situações de assedio e de desqualificação muitas vezes vem de modo grosseiro e escancarado, mas outras vezes nem não são tão facilmente percebidas.
A dica, portanto, seria que jamais tirassem o salto alto enquanto não se sentissem plenamente seguras mesmo que seja para qualquer conversa informal.

Saber que a maioria dos homens está frágil e usa de força bruta para diminuir as conquistas das mulheres é de grande valia. Quanto mais inteligentes estes tipos de homens são, mais sofisticados serão seus ataques e assédios, sempre com o objetivo de invariavelmente retirarem todo o poder e força das mulheres. Alucinam que as tendo sob seu domínio, como se fossem seus donos, que de algum modo recuperariam seus status falidos. Ledo engano, acabam funcionando comprovadamente como predadores, homens da caverna que não têm espaço algum nessa atualidade de conquistas do feminino.

Mais um ponto de atenção às mulheres: ao perceberem um mínimo de conversa que soe com tom de desrespeito devem imediatamente acionar o sinal vermelho, colocarem limites sérios e, sob hipótese alguma, jamais buscarem serem aceitas por esses tipos. Afinal, o que eles mais querem é a destruição do feminino pela via da submissão massiva e da desqualificação de tudo o que se é e que foi construído. Nenhuma mulher precisa disso, nenhuma mulher merece ser desqualificada.

Ao perceber este tipo de movimento direcionado a você, vindo de um homem, responda por cima do seu salto alto, de modo distante e cortante. Saia de perto e se a pessoa insistir, grave, denuncie, busque testemunhas. Mas o principal, reconheça que você está acima de tudo isso.
Jamais banalize situações que a incomodam. Você corre o risco de perder a noção concreta de que está sendo abusada. Portanto, se esbarrou em algo que lhe incomodou, freie de imediato porque ao ultrapassar muito a sua linha vermelha, invariavelmente a sua percepção começará a ficar distorcida, num palco onde os maiores e piores abusos acontecem. Na dúvida, pergunte a opinião de alguém que está fora da situação. Mulheres não precisam de predadores à sua volta.

 

Please reload

Artigos Recentes 
Please reload

Redes Sociais
  • Facebook
  • Instagram
Palavras-Chave